O palco e o mundo


Eu, Pádua Fernandes, dei o título de meu primeiro livro a este blogue porque bem representa os temas sobre que pretendo escrever: assuntos da ordem do palco e da ordem do mundo, bem como aqueles que abrem as fronteiras e instauram a desordem entre os dois campos.
Como escreveu Murilo Mendes, de um lado temos "as ruas gritando de luzes e movimentos" e, de outro, "as colunas da ordem e da desordem"; próximas, sempre.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Desarquivando o Brasil CXXXIII: Raduan Nassar e a ditadura militar

O poeta Cláudio Willer escreveu ontem sobre o absenteísmo político, na época da ditadura militar, de Raduan Nassar. Nassar foi objeto de vários comentários por ter sido ontem atacado pelo político que no momento ocupa o ministério da cultura, na entrega do Prêmio Camões.
Outras pessoas, e não Willer, chegaram a dizer, a meu ver muito equivocadamente, que se tratava de premiação exclusiva do governo brasileiro, e por isso ele deveria tê-la recusado (a iniciativa também é de Portugal), embora ele tivesse aceito a premiação antes do impeachment (não sei se o atraso na entrega ocorreu em razão de má vontade da administração Temer, ou da visível falta de excelência administrativa da gestão), e que, se ele recebeu a premiação, deveria ficar calado - essa é a ideia que fazem do debate público e da relação dos escritores com o governo.
Willer escreveu que Nassar se absteve politicamente e que disse, em 1981, que não havia censura de livros na ditadura, apesar, lembro, dos vários exemplos de livros proibidos desde os anos 1960: https://www.facebook.com/claudio.willer/posts/1345869838802906
Eu não sabia disso. O curioso é que a literatura de Raduan Nassar não era absenteísta; a esse respeito, no volume dos Cadernos de Literatura Brasileira (publicado pelo Instituto Moreira Salles em 1996) dedicado a Raduan Nassar, tanto Milton Hatoum quanto Leyla Perrone-Moisés destacam Um copo de cólera, publicado pela primeira vez em 1978, pela sua relação com a ditadura militar.
A história, que se tornou filme de Aluizio Abranches, é muito conhecida. Na cólera deflagrada após o dono da propriedade ter humilhado os empregados, e a jornalista o chamar de fascista, o homem diz "escuta aqui, pilantra, não fale de coisas que você não entende, vá por a boca lá na tua imprensa, vá lá pregar tuas lições, denunciar a repressão [...]".
Depois de afirmar que ela se tornaria polícia feminina, é o fascista, em astuta estratégia do autor, que faz este comentário subversivo: "no abuso de poder, não vejo diferença entre um redator-chefe e um chefe de polícia, como de resto não há diferença entre dono de jornal e dono de governo, em conluio, um e outro, com donos de outros gêneros".
É interessante que a discussão da repressão passe pelo jornalismo. Na entrevista publicada nos Cadernos, Nassar contou que publicava um Jornal do Bairro, criado em 1967, que "Fazia oposição ao regime da época e identificava-se com as reivindicações do então chamado Terceiro Mundo. Dava atenção também aos grupos minoritários.". Ela pode ser lida no blogue do Instituto (http://blogdoims.com.br/entrevista-com-raduan-nassar-2/).
De fato, o jornal publicou oposicionistas como Paul Singer. Na ficha que o Deops/SP fez do escritor (por sinal, o simples fato de ele ter sido fichado pela polícia política sugere que ele não era completamente absenteísta), menciona-se a atividade da Pat Publicações, de que era um dos proprietários.

A editora era investigada por publicações consideradas subversivas pelo regime, especialmente material do movimento estudantil. Sobre isso, há várias referências de documentos da repressão, mas mencionarei apenas a que tenho comigo no momento. Reproduzo ao lado parte de um documento que está no acervo Deops/SP do Arquivo Público do Estado de São Paulo.
Trata-se de um documento do Centro de Informações da Marinha, de 1978, sobre a chamada "imprensa nanica", isto é, os periódicos de menor circulação que faziam oposição ao governo, que eram alvo de preocupação gigante da repressão. Esses periódicos e as bancas de jornais que os vendiam é que seriam alvos de diversos atentados, inclusive a bomba, nos governos Geisel e Figueiredo.
Dados haviam sido coletados sobre a imprensa clerical, de entidades de classe e do movimento estudantil, "além das revistas que fazem 'resistência cultural', como 'ISTO É', 'ESCRITA', 'VERSUS', etc., por apresentarem características bastante identificadas com a 'imprensa nanica'".

3) - Os demais documentos referenciados, [sic] contêm subsídios sobre as seguintes publicações: "MOVIMENTO", 'EM TEMPO", "FLAGRANTE", "VERSUS", "ANISTIA", "REPÓRTER", "LAMPIÃO", "BOLETIM ABI" e da firma impressora "Publicações e Assistência Técnica Ltda - PAT". 
Vejam a preocupação da ditadura com a "proliferação" desses jornais, com a não identificação do editor-chefe (claro que por motivos de segurança) e com a tiragem: "as tiragens dessas publicações somam mais de 120 mil exemplares".
Nassar deixou essa carreira. Sua vida, de fato, foi marcada por uma série de abandonos: de cursos, de negócios, e da literatura pela agricultura, que ele também acabou por deixar em 2011, como conta esta reportagem da Revista Piauí, publicada em 2012 (http://piaui.folha.uol.com.br/materia/depois-da-lavoura/), com a distribuição de terras para agricultores e a doação de uma fazenda para a construção de um campus da Universidade Federal de São Carlos (a doação foi taxada em quase meio milhão, que ele pagou), depois de a USP, que não queria abrir cursos de graduação na região, não ter aceitado a propriedade. No entanto alguns, não sei se honestamente, chegaram a dizer que Nassar só teria aceitado o prêmio Camões por dinheiro.
Outros acharam que o escritor deveria ter-se mantido silencioso, cobrando coerência com o seu costumeiro caráter recluso. Não tenho nada contra reviravoltas em histórias, que fazem personagens que estavam quietos se manifestarem quando a situação é dramática, gerando impacto e destaque nos jornais, que documentaram a inversão da ordem nas falas, que permitiu que o ministro falasse no final, e a pouca intimidade da atual presidente da Biblioteca Nacional com a literatura (ela errou duas vezes o nome de Nassar). Achei admirável.
Admirei também que Raduan Nassar tenha centrado seu discurso na acintosa indicação do antigo comandante da repressão política no Estado de São Paulo, o antigo secretário de segurança pública de Alckmin, político do PSDB (desfiliado há alguns dias...), Alexandre de Moraes. Como se sabe, no atual consórcio do PMDB com o PSDB à frente do orçamento federal, Moraes ascendeu ao ministério da justiça, e o nacional desastre de sua gestão, com chacinas em presídios, cortes nos órgãos de direitos humanos, ataques aos direitos indígenas credenciaram-no para ser indicado ao Supremo Tribunal Federal...  O que seria um legado desastroso de Temer e do PSDB, que duraria muito mais do que este governo provisório, tendo em vista a vitaliciedade do cargo e a PEC da Bengala.
Foi pedida a cassação de seus títulos na USP pela "má conduta científica" e acusações de plágio, bem como requerimento à Procuradoria-Geral da República. Além disso, o currículo lattes do tinha informação falsa de um alegado pós-doutorado. Eis o que o governo Temer pode oferecer de notório saber e reputação ilibada (requisitos constitucionais para o cargo, acreditem ou não).
Raduan Nassar abandonou a literatura, mas não poderá deixar de ser o autor de sua própria obra. Àqueles que criticaram o escritor e defenderam o político que desdoura o ministério da cultura (afinal, é tão representativo do atual governo, que está a degradar o país), deixo esta citação de Lavoura arcaica:
– E fica também mais pobre o pobre que aplaude o rico, menor o pequeno que aplaude o grande, mais baixo o baixo que aplaude o alto, e assim por diante. Imaturo ou não, não reconheço mais os valores que me esmagam [...] a vítima ruidosa que aprova seu opressor se faz duas vezes prisioneira, a menos que faça essa pantomima atirada por seu cinismo.


22 comentários:

  1. perfeita a citação final, Pádua. adorei o texto.
    beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Renata. Deixei as palavras de Raduan Nassar como antídoto do discurso canhestro do ministro...

      Excluir
  2. Impecável, Pádua. Excelente reflexão, sempre achei a literatura dele de uma intensa ação e movimento, assim como a vida dele. Querem agora que seja omisso!? Oras! Acho que essa gente fala mais é de si mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado. É possível que, em muitos casos, seja isso mesmo em relação à omissão.

      Excluir
  3. Só agora pude ler. Excelente, obrigado pelo texto!

    ResponderExcluir
  4. Excelente, Pádua, excelente!

    ResponderExcluir
  5. Que maravilha de memória, prazado Pádua!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Há mais documentos, porém não estavam a mão...

      Excluir
  6. que oportunas que são suas palavras nesse momento! Obrigada!

    ResponderExcluir
  7. Grande matéria sobre um grande escritor. Parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Tb é a palavra em que penso: oportunos. Texto e posicionamento mais do que oportunos

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo belo texto, lúcido, substancial, pontualmente necessário!

    ResponderExcluir
  10. Excelente, amigo. Meus parabéns, tenho escutado cada absurdo sobre Raduan. Estou revoltado!

    ResponderExcluir